Uma imagem vale mais que mil palavras: o processo destilatório da I.N AGERH 002/17

Todos nós sabemos que uma boa cachaça provém de um bom aparato destilatório, como não aprecio nem “com” e “sem” moderação, fico somente na imaginação, mas para um apreciador do gênero, esse é o caminho para a maestria.

Sabemos ainda que, uma imagem vale mais que mil palavras. Isso é fato!!!

Ontem, foi um daqueles dias de reencontrar grandes e velhos amigos, como aconteceu, mas com sabor e paladar de profissional ambiental. Não é mesmo Edgar?

Na gênese do processo instrutório hídrico subtérreo da 002, verificamos nas suas entrelinhas, a importância e responsabilidade da autodeclaração de um usuário lato sensu, e ainda, o quanto temos à percorrer pelo caminho do princípio da boa-fé brasileira.

Temos muito a avançar!

Entretanto, quando andamos por aí e encontramos poços tubulares “rasos” ou “profundos” de quaisquer finalidades, sendo utilizados com a devida observância normativa, sejam eles para irrigação ou umectação de vias, abaixo do bom senso permitido mas atento ao marco regulatório outorgável, com vazões acima de 12.9 l/s. (Uma imagem vale mais que mil palavras)

Ou ainda, quando deparamos com a mesma situação supra, mas com vazões iguais ou inferiores, que pela observância do Cadastramento Estadual de Água Subterrânea, confronta os valores quantitativos que se tem. (Uma imagem vale mais que mil palavras)

Pois bem. Com prospecto de dias melhores, conforme elucida Rogério Flausino do Jota Quest, é que aguardamos a revogação do artigo 2º da Res. AGERH/ES 066/18, ou ainda, o cumprimento da mesma, até 28 de fevereiro do ano que vem.

Muito Obrigado pela sua presença.

Até segunda-feira próxima, se Deus quiser.

Lembrando que hoje temos, o nosso programa semanal de notícias na nossa Rádio das Águas Capixabas, dito: “Gotais News”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *